Close

O pensamento dualista é a energia dinâmica da mente.

Jamgon Kongtrul

Creation and Completion

A prática da yoga transformou profundamente a minha vida.

João Canário

Arquiteto

Nossa agenda

Horários

Veja aqui o nosso quadro de horários. São diversas opções para você praticar e melhorar a sua saúde.

Ashtanga Yoga

Ashtanga Yoga é um sistema de yoga que tem a sua origem no antigo manuscrito Yoga Korunta, compilado pelo sábio Vamana Rishi. Sua forma atual foi desenvolvida na Mysore Palace em Mysore, Índia, e é frequentemente atribuída à Sri K. Pattabhi Jois, por meio de seu Satguru, Krishnamacharya.

O sistema Ashtanga Vinyasa, tem uma distinção clara entre ashtanga (“a” com letra minúscula), os oito (ashta) passos do Raja Yoga clássico, conforme descrito por Pantanjali no Yoga Sutras, e Ashtangaao . Os oito passos indicados pela palavra ashtanga referem-se especificamente aos oito práticas delineadas pelo sábio Patanjali no Yoga Sutra:

      1. Yama – códigos morais;

 

      2. Niyama – purificação e estudo;

 

      3. Asana – postura;

 

      4. Pranayama – controle da respiração;

 

      5. Pratyahara – controle dos sentidos;

 

      6. Dharana – concentração;

 

      7. Dhyana – meditação;

 

    8. Samadhi – contemplação.

Este sistema pode também ser usado para ajudar a acalmar o fluxo de pensamentos na mente, reduzindo o stress e ensino personalidades extrovertidas, a se tornarem mais introvertidas, para consciencia dos seus corpos e manter o foco nas suas práticas.

O Metodo Vinyasa

Este estilo de yoga é caracterizado pelo esforço na concentração no vinyasa, ou de uma dinâmica sequncia de posturas, que cria uma coreografia entre as mais tradicionais posturas do yoga. A “coreografia” vinyasa é uma variante de Surya namaskara, a Saudação ao sol. Toda a prática é definida por seis específicas série de posturas, sempre feito na mesma ordem, combinadas com padrões respiratórios específicos (respiração ujjayi).

A norma Vinyasa consiste em um ciclo de chaturanga, chaturanga dandasana, urdhva mukha svanasana, e um Adho mukha svanasana. O objetivo do vinyasa é criar calor no corpo, que leva à purificação do mesmo através do aumento da circulação e transpiração. Além disso, melhora a flexibilidade, bem como resistência dos tendões e do tecido muscular, permitindo que o aluno faça práticas avançadas de asanas com reduzido risco de lesões.

Há seis séries completas. Cada seqüência começa com 10 saudações ao sol e posições em pé. Isto é chamdo de “seqüência de abertura”. O aluno então se pratica a sequência Primária, Intermediária ou Avançada A, B, C ou D, dependendo do seu nível de perícia, finalmente termina com um conjunto de posturas invertidas, chamadas de “seqüência final”. Ashtanga Yoga é tradicionalmente ensinada no estilo Mysore (prática supervisionada), em que cada aluno evolui através da prática em seu próprio ritmo e limite. No Ocidente, é mais comum encontrar aulas dedicadas a uma série específica, e guiada por um instrutor.

Superior Práticas de Hatha

Bandhas

Há três bandhas que são considerados as fechaduras internas dos nossos órgãos, prescritas em diferentes posturas. O bandha é uma contração sustentada de um grupo de músculos que auxilia o praticante não só na manutenção da mesma, mas também no que se deslocar para dentro e fora dele. O mula bandha, ou bloqueio raiz, é aberto apertando os músculos ao redor da área do pélvis e períneo . O udiyana bandha, muitas vezes descrito estar acima do umbigo na base da coluna, é uma aberto com uma contração da musculatura da parede abdominal inferior – este bandha é considerado o mais importante bandha pois ele suporta a nossa respiração e incentiva o desenvolvimento do núcleo da musculatura. O Jalandhara bandha, a trava da garganta, é aberta através de se baixar o queixo ligeiramente, enquanto se ergue o esterno e o palato trazendo a olhar para a ponta do nariz.

Drishtis

Drishti, ou focalizar o olhar, é um meio para o desenvolvimento força de concentração. O mais comum é o Urdhva, ou olhar ascendente, onde os olhos são levantadas, com a coluna alinhada de coroa da cabeça ao cóccix. Esta técnica é empregada em uma variedade de posturas.

Há, no total, nove drishtis que instruem ao estudante de yoga como focalizar o seu olhar. Cada um está associada a um determinado drishti. Eles incluem:

1. Angusta ma dyai: para o polegar;
2. Broomadhya: para o terceiro olho, ou entre as sobrancelhas;
3. Nasagrai: um ponto em seis centímetros da ponta do nariz;
4. Hastagrai: à palma, geralmente a mão estendida;
5. Parsva: para o lado esquerda;
6. Parsva: para o lado direito;
7. Urdhva: para o céu, ou para dentro;
8. Nabichakra: para o umbigo;
9. Padayoragrai: para os pés.

Mantras

A prática do Ashtanga é tradicionalmente iniciada com os seguintes mantras em Sânscrito:

Vande gurunam charanaravinde sandarshita svatma sukhava bodhe
Nih shreyase jangalikayamane samsara halahala mohasantyai
Abahu purusharakam sankhachakrasi dharinam
Sahasra shirsam svetam pranamami patanjalim

Que é traduzida como:

Eu me ajoelho aos pés de lótus dos gurus,
A felicidade do despertar para aqueles que o si foi revelado,
Além do mais, agindo como a senhor da floresta,
libertando-se da ilusão e do veneno do samsara.
Saindo da forma de um homem,
Segurando um concha, um disco, e uma espada, as mil cabeças iluminadas
Saúdo a Patañjali

E termina com o mangala lema:

Svasti prajabyah paripalayantam nyayena margena mahim mahishah
Gobrahmanebyah shubamashtu nityam lokasamasta sukhinobavantu

Que é traduzida como:

Possa a prosperidade ser glorificada –
Possam os governantes(administradores), governem o mundo com lei e justiça
Possam as divindades e erudição serem protegidas
Possam todos os seres serem felizes e prósperos.

Embora muitos peritos afirmem que esta yoga foi concebido por Jois da leitura, do Yoga Korunta, ninguém (além de Krishnamacharya e Jois) viu este texto. E o próprio Jois tem ocasionalmente mencionado a história como sendo uma farsa. A explicação mais provável para a criação do Ashtanga é que Jois foi convidado a elaborar uma seqüência de yoga para crianças e adolescentes, a quem tinha sido indicado a ensinar pelo seu guru. Percebendo que a sua atenção se perdia facilmente, particularmente em posições que levassem muito tempo, e que a introspecção não era um dos seus pontos fortes, Jois começou a formular um estilo de yoga que ia ao encontro do natural vigor e flexibilidade dos jovens, ao mesmo tempo minimizando os aspectos que achavam enfadonhos. E assim, ele desenvolveu uma nova forma de surya namaskara mais atlética com saltos altos e elevando o corpo se apoiando apenas nos braços, e uma série posições – nenhuma das quais seria realizada em mais de cinco respirações, com exceção das e inverçõos sobre ombro e cabeça – que eram visualmente emocionantes, e fisicamente exigentes. A sequencia devia ser realizada sem interrupção, e as seqüências foram concebidos com os jovens.